domingo, 2 de dezembro de 2012

Ras Mandal Reggae

Hoje, na feira de velharias da Fuzeta, o César comprou e ofereceu-me  o LP (puro vinil em bastante bom estado) DASANUDASA dos Ras Mandal Reggae:
Uma espécie de harakrishna--bollywood-reggae com a benção do saudoso George Harrison, entre outros:

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Jimi Hendrix - Hear My Train Cominn (Acoustic) (HD 1080p)


Teria feito ontem 70 anos - uma longa e saudosa espera por qualquer que seja o comboio, ascendente, descendente, ... que nos deverá levar a esse outro lugar...

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

“Le Capital” de Konstantinos Costa Gavras

Costa Gravas volta ao lugar do crime com toda a propriedade que lhe é reconhecida:
Cine de estreno en Paris: “El capital” de Konstantinos Costa Gavras: Cine de estreno en Paris: “El capital” de Konstantinos Costa Gavras

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Henry Grimes bass solo "A Stone Communion"

De volta ao Free Jazz, ressuscitado de um largo período de trevas:

«Henry Grimes performes this unique solo on double bass with Zim Ngqawana, sax; and Andrew Cyrille, drums; at The Stone in New York City on November 30, 2010.

Henry Grimes is a jazz double bassist, violinist, and poet who was born on November 3, 1935 in Philadelphia, Pennsylvania. As a child, Grimes took up the violin, then began playing tuba, English horn, percussion, and finally the double bass at age 13 or 14, while he was in high school. Grimes furthered his musical studies at Juilliard, and established a reputation as a versatile bassist in the mid 1950s. He recorded or performed with saxophonists Gerry Mulligan and Sonny Rollins, pianist Thelonious Monk, singer Anita O'Day, clarinetist Benny Goodman and many others. At a time when bassist Charles Mingus was experimenting with a second bass player in his band, Grimes was the person he selected for the job. One of his earliest appearances on film is captured in the Bert Stern documentary on the Newport Jazz Festival, "Jazz on a Summer's Day."

Gradually growing interested in free jazz, Grimes performed with most of the music's important names, including pianist Cecil Taylor, trumpeter Don Cherry, saxophonists Steve Lacy, Pharoah Sanders, Archie Shepp, and Albert Ayler. He released one album, The Call as a trio leader for the ESP-Disk record label in 1965. The album features Perry Robinson on clarinet and Tom Price on drums and is considered to be of a great quality representative of his career.

After more than a decade of activity and performance, notably as a leading bassist in free jazz, Grimes completely disappeared from the music scene around 1970 and was presumed dead.

Marshall Marrotte, a social worker and jazz fan, set out to discover Grimes's fate once and for all. In 2003, he found Grimes alive but nearly destitute, without a bass to play, renting a tiny apartment in Los Angeles, California, writing poetry and doing odd jobs to support himself. He had fallen out of touch with the jazz world and was unaware Albert Ayler had died, but was eager to perform again.

Word spread of Grimes's 'resurrection', and some musicians and fans offered their help. Bassist William Parker donated a bass (nicknamed "Olive Oil", for its distinctive greenish color) and with David Gage's help had it shipped from New York to Los Angeles, and others assisted with travel expenses and arranging performances. Grimes's return was featured in The New York Times and on National Public Radio».




quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Sobre "Jornalismo Cultural"

 Artigo de Zara Soares que vale a pena ler (e partilhar) em:
ARTECAPITAL.NET

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Oração para Marylin, de Ernesto Cardenal


(poderia ter sido publicada no dia 5/8,  assinalando os 50 anos do seu «fade out», mas teria sido demasiado necrófilo para o seu gosto)

Oración por Marilyn Monroe de Ernesto Cardenal

Señor
recibe a esta muchacha conocida en toda la Tierra con el nombre de
Marilyn Monroe,
aunque ése no era su verdadero nombre
(pero Tú conoces su verdadero nombre, el de la huerfanita violada a los
9 años y la empleadita de tienda que a los 16 se había querido matar)
y que ahora se presenta ante Ti sin ningún maquillaje
sin su Agente de Prensa
sin fotógrafos y sin firmar autógrafos
sola como un astronauta frente a la noche espacial.

Ella soñó cuando niña que estaba desnuda en una iglesia (según cuenta el Times)
ante una multitud postrada, con las cabezas en el suelo
y tenía que caminar en puntillas para no pisar las cabezas.
Tú conoces nuestros sueños mejor que los psiquiatras.
Iglesia, casa, cueva, son la seguridad del seno materno
pero también algo más que eso...
Las cabezas son los admiradores, es claro
(la masa de cabezas en la oscuridad bajo el chorro de luz).
Pero el templo no son los estudios de la 20th Century-Fox.
El templo -de mármol y oro- es el templo de su cuerpo
en el que está el hijo de Hombre con un látigo en la mano
expulsando a los mercaderes de la 20th Century-Fox
que hicieron de Tu casa de oración una cueva de ladrones.

Señor
en este mundo contaminado de pecados y de radiactividad,
Tú no culparás tan sólo a una empleadita de tienda
que como toda empleadita de tienda soñó con ser estrella de cine.
Y su sueño fue realidad (pero como la realidad del tecnicolor).
Ella no hizo sino actuar según el script que le dimos,
el de nuestras propias vidas, y era un script absurdo.

Perdónala, Señor, y perdónanos a nosotros
por nuestra 20th Century
por esa Colosal Super-Producción en la que todos hemos trabajado.
Ella tenía hambre de amor y le ofrecimos tranquilizantes.
Para la tristeza de no ser santos
se le recomendó el Psicoanálisis.

Recuerda Señor su creciente pavor a la cámara
y el odio al maquillaje insistiendo en maquillarse en cada escena
y cómo se fue haciendo mayor el horror
y mayor la impuntualidad a los estudios.
Como toda empleadita de tienda
soñó ser estrella de cine.
Y su vida fue irreal como un sueño que un psiquiatra interpreta y archiva.
Sus romances fueron un beso con los ojos cerrados
que cuando se abren los ojos
se descubre que fue bajo reflectores
¡y se apagan los reflectores!
Y desmontan las dos paredes del aposento (era un set cinematográfico)
mientras el Director se aleja con su libreta
porque la escena ya fue tomada.
O como un viaje en yate, un beso en Singapur, un baile en Río
la recepción en la mansión del Duque y la Duquesa de Windsor
vistos en la salita del apartamento miserable.
La película terminó sin el beso final.
La hallaron muerta en su cama con la mano en el teléfono.
Y los detectives no supieron a quién iba a llamar.
Fue
como alguien que ha marcado el número de la única voz amiga
y oye tan solo la voz de un disco que le dice: Wrong Number
O como alguien que herido por los gangsters
alarga la mano a un teléfono desconectado.

Señor:
quienquiera que haya sido el que ella iba a llamar
y no llamó (y tal vez no era nadie
o era Alguien cuyo número no está en el Directorio de los Ángeles)
¡contesta Tú al teléfono!

terça-feira, 31 de julho de 2012

Política de drogas portuguesa oferece moderado optimismo

Política de drogas portuguesa ofrece moderado optimismo: Mario Queiroz (IPS/Lisboa)

Temos poucas coisas em Portugal relacionadas com «políticas» sociais e outras questões públicas que sejam unanimemente elogiadas como medidas a recomendar e, muito menos, como das melhores do mundo. Neste caso, quase único, têm chegado elogios, de facto, de todo o mundo, excepto de Portugal. Será porque o seu principal protagonista nem sempre é muito alinhado com os diferentes detentores do poder, que só o vão tolerando pela sua incontornável credibilidade e inquestionável competência?

João Goulão: “Combatemos o vício, não o viciado”, in ÉPOCA, 20/01/2012, S. Paulo.

O Plano Nacional de Cinema - Opiniao de APV (e não só)!

O Plano de Cinema - Opiniao - Sol

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Forum: O Futuro do Jornalismo

Este Forum, que terá lugar amanhã pelas 14.30 no Anf. 1.5 do Campus da Penha da Universidade do Algarve, poderá ser seguido em directo na internet em «streaming»  http://wms.fccn.pt/ualgarve  assim como poderão ser colocadas questões através do «facebook» em  https://www.facebook.com/events/311721852235679/  aos intervenientes Adelino Gomes, José Barreiros, José Vítor Malheiros, António Granado, Miguel Gaspar, Mirian Tavares, Mário Antunes, assim como a este vosso criado, Vítor Reia-Baptista.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

domingo, 29 de abril de 2012

4ª Mostra de Cultura Fílmica da Universidade do Algarve

Está já à porta (3/5/2012) mais uma Mostra de Cultura Fílmica da Universidade do Algarve, a 4ª organizada pelos alunos da disciplina com o mesmo nome, este ano dando corpo ao tema «Um Dia com o Cinema», no âmbito da iniciativa nacional «Um dia com os Media» que procurará chamar a atenção de todos, emissores, mediadores e receptores, para a importância da Literacia dos Media enquanto estado de conhecimento geral sobre os próprios Media, a sua função e o seu impacto no quotidiano das nossas vidas, neste caso específico, tomando o Cinema como meio de eleição e factor de Literacia Fílmica. Ora tal, em Faro, só poderia ser feito com a colaboração também da Direcção do Cineclube Faro: http://cineclubefaro.blogspot.pt/2012/04/4-mostra-de-cultura-filmica-de-alunos.html
Cineclube de Faro: A 4ª Mostra de Cultura Fílmica de alunos de Cultur...: Evento no âmbito da disciplina de Cultura Fílmica e da iniciativa nacional “Um dia com os media”. // Um dia com o cinema - 3 de Maio de 20...

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Jornalismo no Brasil: assassinado o repórter d' O Estado do Maranhao Décio Sá

O Brasil dos últimos anos tem sido uma fonte de inspiração e até de esperança para os povos mais desprotegidos, mais explorados e mais carentes de dignidade humana, cívica, económica e política. No entanto, em algumas das suas regiões e estados ainda perduram as velhas leis dos coronéis.Quando se aproxima (no próximo dia 3/5) o dia mundial da Liberdade da Imprensa, esta notícia merece a nossa reflexão:
Periodismo en Brasil: asesinado el reportero O Estado do Maranhao Décio Sá

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Israel: policías y militares cierran la Comunidad Universitaria Media Center

Numa época em que todas as entidades (israelitas incluídas) dizem da boca para fora que as tecnologias da informação e da comunicação servem para estreitar os laços entre pessoas, povos e instituições e, por vezes, até se atrevem a dizer que será em benefício da paz, acabam muitas vezes por praticar o contrário, embora neste caso triste de Israel já se trate, reconhecidamente até à exaustão, de aplicar a tecnologia da incomunicação:
Israel: policías y militares cierran la Comunidad Universitaria Media Center: Israel: policías y militares cierran la Comunidad Universitaria Media Center

sábado, 31 de março de 2012

Não Sejam Piegas!!!



«... não sejam piegas ... pá ... não sejam piegas ... já ... não sejam piegas... cá ... não sejam piegas... tomem lá ...»
Fotos, Hugo Correia/Reuters e R Renascença, Março de 2012.

terça-feira, 20 de março de 2012

Será que é isto que está à espreita na costa «allgarvia»?

Brasil prohíbe que ejecutivos de Chevron salgan del país por el derrame de crudo: Brasil prohíbe que ejecutivos de Chevron salgan del país por el derrame de crudo ....  E será que é isto que nos espera no Algarve? Só que com a quase certeza de não termos tribunais suficientemente céleres nem suficientemente determinados para imporem o mesmo tipo de restrições, caso venham a ser necessárias.

sábado, 3 de março de 2012

Fórum "Jornalismo e Sociedade"

Em princípio, teremos este debate também na Universidade do Algarve, organizado pela Área de Ciências da Comunicação e pelo CIAC, em 22 de Maio de 2012, concluindo a série de debates pelo resto do país.
 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Na «Crise» (palavra grega) Somos todos Gregos...

ou pelo menos, vemo-nos todos gregos, quer queiramos ou não (quer dizer, todos, todos, não, há alguns que se acham mais piegas, outros que até se acham muito bem e para quem a «crise» é um fartar vilanagem e outros ainda que deveriam emigrar segundo a sua própria receita para uma outra esquina qualquer, se possível, bem longe), com vénia à Teresa Dias Coelho que transportou a imagem para a esfera pública.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Glenn Andrews and Friends: Parking Lot Jam in New Orleans

New Orleans, 2009
O som é deficiente, praticamente só se ouvem com uma certa distinção algumas partes da secção rítmica e as variações não são muitas mas a intensidade, a comunhão e alma (que o trombone a faz soar visível) são do melhor que se possa encontrar em qualquer jam que se preze. O registo vídeo é amador e quase estático, mas está tudo lá. I wish I was there.
Glenn David Andrews Glenn David Andrews and Friends

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Nobody Expects the # Spanish Revolution ? Mas pelo andar da carruagem até parece que ela seria bem necessária.

Photo: Notsureifsrs, WikiCommons, 2011

The Spanish Inquisition Strikes Back!

A Herança Franquista e a Nova Inquisição, ou será ainda a velha?

Sinto-me enraivecido pela a sentença que aplicaram a Baltazar Garzón e, no entanto, sei que a raiva não resolve nada, mas é mesmo uma raiva enorme contra este novo tipo de inquisição o que sinto.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

REN - Real Embrulhada Nacional? - quem compra o quê (all along the watchtower)?

Os fios de cobre são mais caros ou mais baratos na China, se vendidos a peso? E as nuvens, são de graça, ou de desgraça? Já as Torres, ou são Novas ou são Vedras, mas também já foram Gémeas e até de Vigia.  - Quem dá mais? - disse o Mentiroso para o Ladrão... será que há por aqui alguma saída ...?

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Garzón: ¿la verdad en el banquillo?

«Parece increíble, pero España ocupa el segundo lugar del mundo en número de fosas clandestinas, solo detrás de Camboya»
Garzón: ¿la verdad en el banquillo?: Garzón: ¿la verdad en el banquillo?

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Noam Chomsky: 'As long they get the backing of dictators, it doesn't matter to western governments what Arab populations think' – video

Mesmo já com uns meses em cima (31/08/2011), vale sempre a pena ouvir a opinião deste homem, professor emérito do MIT, que aos 83 anos continua mais lúcido do que muitos dos seus pares bem mais jovens, para a qual fui alertado indirectamente através da partilha de uma leitura afim (sobre a ontologia de uma das mais complexas fotos do  9/11/2001, tirada por Thomas Hoepker) e partilhada pela Teresa Dias Coelho (obrigado Teresa) via The Guardian/FB: http://gu.com/p/3xgzc

   
   
   
   
   

http://gu.com/p/3xgzc

domingo, 5 de fevereiro de 2012

«O Pobre Cavaco», por Baptista Bastos

A magnífica e demolidora prosa de Baptista Bastos (agora à solta no Jornal de Negócios, quem diria?) a fazer lembrar o que de melhor escreveu no saudoso Diário Popular.

O pobre Cavaco
em Jornal de Negócios, 27 Janeiro 2012,
Baptista Bastos - b.bastos@netcabo.pt

 A pátria, estarrecida, assistiu, nos últimos dias, à declaração de pobreza do dr. Cavaco, e aos ecos dessa amarga e pungente confissão.
A pátria, estarrecida, assistiu, nos últimos dias, à declaração de pobreza do dr. Cavaco, e aos ecos dessa amarga e pungente confissão. O gáudio e o apoucamento, a crítica e a repulsa foram as tónicas dominantes das emoções. Os blogues, aos milhares, encheram-se de inauditos gozos, e a Imprensa, grave e incomodada, não deixou de zurzir no pobre homem. Programas de entretenimento matinal, nas têvês, transformaram o coitado num lázaro irremissível. Até houve um peditório, para atenuar as suas preocupações de subsistência, com donativos entregues no Palácio de Belém. Porém, se nos detivermos, por pouco que seja, no dr. Cavaco e na sua circunstância notaremos que ele sempre assim foi: um portuguesinho no Portugalinho.

Lembremo-nos desse cartaz hilariante, aposto em tudo o que era muro ou parede, e no qual ele aparecia, junto de um grupo de enérgicos colaboradores, sob o extraordinário estribilho: "Deixem-nos trabalhar!" Cavaco governava pela primeira vez e os publicitários colocaram-no e aos outros em mangas de camisa arregaçadas. Os humoristas de serviço rilharam os dentes, de gozo, mas a época não era propícia à ironia. O País tornou-se numa espécie de imagem devolvida do primeiro-ministro: hirto, um espeque rígido, liso, um carreirinho de gente cabisbaixa.

O respeitinho é muito lindo: essa marca d'água do salazarismo regressava para um país que perdera a noção do riso, se é que alguma vez o tivera. Cavaco resulta desse anacronismo que fede a mofo e a servidão. É um sujeito de meia-tijela, inculto, ignorante das coisas mais rudimentares, iletrado e, como todos os iletrados, arrojado nas afirmações momentâneas. As suas "gaffes" fazem história no anedotário nacional. É um Américo Tomás tão despropositado, mas tão perigoso como o original.

Manhoso, soube aproveitar o momento vazio, no rescaldo de uma revolução que também acabou no vazio. Os rios de dinheiro provindos de Bruxelas, e perdulariamente gastos, durante os infaustos anos dos seus mandatos, garantiram-lhe um lugar de aplauso nas consciências desprotegidas dos portugueses. Este apagamento da verdade está inscrito, infelizmente, numa Imprensa servida por estipendiados, cuja virtude era terem o cartão do partido. Ainda hoje essa endemia não foi extirpada. Repare-se que, fora alguns escassos casos isolados, ainda não foi feita a crítica aos anos de Cavaco e das suas trágicas consequências políticas, ideológicas, morais e sociais. Há uma falta de coragem quase generalizada, creio que explicada pela teia reticular de cumplicidades, envolvendo poderes claros e ocultos.

A mediocridade da personagem é cada vez mais evidente. E se, no desempenho das funções de primeiro-ministro, foi sustentado pela falsa aparência de el dourado, devido aos dinheiros da Europa, generosamente distribuídos por amigos e prosélitos, como Presidente da República é uma calamidade afrontosa. Tornou o lugar desacreditante e desacreditado.

Logo no primeiro dia da sua entrada no palácio de Belém, o ridículo até teve música. Um país espavorido assistiu, pelas televisões, sempre zelosas e apressuradas, àquela cena do dr. Cavaco, mãos dadas com toda a família, a subir a rampa que conduz ao Pátio dos Bichos, e ao interior do edifício. Um palácio que não merecia recolher tal inquilino. Mas ele é mesmo assim: um portuguesinho no Portugalinho, um inesperadamente afortunado algarvio, sem história nem grandeza, impelido para o seu peculiar paraíso. A imagem da subida da ladeira possui algo de ascensão ao Olimpo, com aquelas figuras muito felizes, impantes, formais, intermináveis. Mas há nisto um panteísmo marcadamente ingénuo e tolo, muito colado a certa maneira de ser portuguesinho e pobrezinho: tudo em inho, pequenininho, redondinho.

Cavaco nunca deixou de ser o que era. Até no sotaque que não perdeu e o leva a falar num idioma desajeitado; no inábil que é; no piroso corte de cabelo à Cary Grant; no embaraço que sente quando colocado junto de multidões ou de pessoas que ele entende serem-lhe "superiores." Repito: ele não dispõe de um estofo de estadista, e muito menos da condição exigida a um Presidente da República.

O discurso da sua pobreza resulta de todas essas anomalias de espírito. Ele tem sido um malefício para o País. É ressentido, rancoroso, vingativo, possidónio e brunido de mente. Mas não posso deixar de sentir, por este pobre homem, uma profunda compaixão e uma excruciante piedade.

Baptista Bastos - b.bastos@netcabo.pt

domingo, 29 de janeiro de 2012

Amy 4 Ever!

Aqui ainda sem o destino todo marcado na pele:


quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Vasco da Gama, em Sines, de olho na «crise»:

Oh Sr. dos Passos, já estou nesta figura ao tempo e nunca mais me descoelho, isto é mesmo o que se chama uma grande crise de punho firme, assim, por este andar, nem saio (aqui) de cima nem emigro para a India, como Vexa manda, f***-*e!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Apesar das crises, das troikas e das tricas dos governantes troca-tincas, deste governo e dos outros, assim como de algumas presidências, outras tantas influências e não sei quantas ingerências directas, indirectas, secretas, patetas, … as amendoeiras voltam a florir, minorando o nosso inverno deste descontentamento …

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

A REVISTA DE ESTUDOS DA COMUNICAÇÃO do Curso de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) faz a chamada de trabalhos para as edições de 2012.
Os textos devem ser submetidos até  28/fevereiro/2012 on-line pelo site www.pucpr.br Clicar em revistas científicas, ir para a REVISTA DE ESTUDOS DA COMUNICAÇÃO. Acima do título está o link ‘submissão’. Mantem-se, também, um fluxo contínuo para o envio dos textos, pois a Revista publica três edições ao ano. As colaborações podem ser em forma de artigos, resenhas, entrevistas, comunicações científicas, ensaios e reportagens científicas e devem seguir a linha editorial Imagem, Mídia e Práticas Sociais.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Aterrem em Portugal!: «Ministério das Propagandas» VERMELHOS NA ILHA DE ...

Um excelente repositório, da autoria de Carlos Guerreiro, de muitas «histórias aterrantes em Portugal»:
Aterrem em Portugal!: «Ministério das Propagandas» VERMELHOS NA ILHA DE ...: Ao longo dos anos da guerra as máquinas de propaganda de todos os beligerantes criaram e publicaram dezenas (talvez centenas) de cartazes, l...

domingo, 15 de janeiro de 2012

Millenium: as paisagens da modernidade sueca

Um excelente artigo de Francisco Pastoriza sobre as diferentes paisagens da modernidade sueca que Stieg Larsson descreveu soberbamente (por coincidência, muito próximas da leitura modernista da cultura Bergmaniana que Erik Hedling fez recentemente na Universidade do Algarve - CIAC):
Millennium: una lectura política del libro de Stieg Larsson: Millennium: una lectura política del libro de Stieg Larsson

Todo Mercado

Todo Mercado, Contra la Simplicidad del pensamiento crítico, de Ramón Reig é o interessante título do último de livro deste autor, Professor na Universidade de Sevilha, Investigador em Comunicação e Director da Revista Ámbitos.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Garzón: el proceso contra el abogado supone una amenaza para los derechos humanos en España

“Al cabo de 36 años desde la muerte de Franco, España finalmente va a juzgar a alguien en relación con los crímenes cometidos durante su dictadura, y esta persona no es nada menos que el juez que intentó investigar tales delitos”.Garzón: el proceso contra el abogado supone una amenaza para los derechos humanos en España: ... (Em Periodistas en Español)